sexta-feira, 12 de setembro de 2014

Dicas importantes para escolha e realização de Dinâmicas, Jogos e Brincadeiras.

Dicas importantes para escolha e realização de Dinâmicas, Jogos e Brincadeiras.

O título dessa publicação bem que poderia ser “Regras para recolha e realização de dinâmicas e brincadeiras”. Sim, regras, porque são indispensáveis para utilizarmos esse tipo de recurso nos ministérios. Não podemos considerar que basta pesquisar simplesmente buscando na internet ou em livros e meramente aplicarmos dinâmicas, jogos e brincadeiras sem nenhum critério. Isso é um grande equívoco e pode gerar sérios prejuízos. Alguém pode perguntar: Mas não é apenas uma brincadeira, uma simples dinâmica ou jogo? Não! Não é meramente assim. Lidamos com vidas, e o que fazemos traz repercussões, gera reações, trazem conceitos e reflexões, nossas atividades nos ministérios não devem ser de improviso, mas planejadas, com objetivos específicos a alcançar e as dinâmicas reforçam esses objetivos, através delas criamos o ambiente propício para iniciar ou reforçar um ensino, integrar o grupo, socializar, favorecer resolução de conflitos, entreter e descontrair dentre outros propósitos.

Muitas vezes, pesquisando por dinâmicas, vejo que muitas não estão relacionadas à lição ou estudo, parecem “forçar” uma situação, pois não se aplicam ao princípio que se pretende ensinar. Já vi dinâmicas em livros que podem gerar constrangimentos e até Bullying, principalmente entre pré-adolescentes e adolescentes, há casos de brincadeiras em acampamentos que levaram pessoas até à morte.

Então, não é tão simples assim como se pensa, para isso, dispomos aqui de algumas dicas básicas que devem ser levadas em consideração para elaboração/escolha e aplicação de dinâmicas, jogos e/ou brincadeiras.

1) PLANEJAMENTO: Não devemos realizar as atividades do ministério sem planejamento. Um líder ou professor da EBD não deve também planejar sua reunião e aula bíblica em cima da hora. É preciso dedicação, tempo para planejar, sentar-se, refletir, pesquisar, ler e...

2) ORAÇÃO: Não faça seus planejamentos e atividades sem oração. Há pessoas que passam mais tempo preparando algo que orando, é preciso equilíbrio, mas a oração não pode ser negligenciada. Sem Deus nada podemos fazer e não chegaremos ao objetivo desejado. A ação do Espírito Santo é fundamental. Para isso, precisamos nos dedicar a oração para tudo que formos realizar.

3) CRITÉRIO: Critério está relacionado a um padrão que serve de base para nossas escolhas. Isso significa que ao lermos algo, não aceitamos cegamente, nem nos empolgamos de súbito sem levar em consideração as suas repercussões, consequências. Isso envolve o bom senso, envolve o equilíbrio e também sabedoria, envolve até mesmo conhecimento da Palavra de Deus, pois nada deve estar desvinculado dos princípios e fundamentos bíblicos.

4) OBJETIVO: No seu planejamento, de acordo com o tipo de estudo, aula, objetivos da lição, tipo de reunião que pretende realizar, público alvo, idade, local, hora, recursos humanos e materiais.  Enfim, deve-se responder algumas perguntas tais como: 1) o que você realizará? 2) quais objetivos pretende alcançar? 3) como pretende realizar? 4) o que precisa para alcançar esses objetivos? Etc.

5) MODALIDADE: De acordo com o tipo de atividade, local, faixa etária, objetivos, recursos, então você escolhe qual modalidade de dinâmica vai realizar: se é para abrir uma reunião, se é para iniciar um assunto, se é para socializar um ensino, se é para levar a uma reflexão e iniciar um debate, se é para uma gincana valendo pontos para os grupos, se é para diverti-los etc. Há dinâmicas de entrosamento, de integração, quebra-gelo, entretenimento, autoexame, para ponto de partida, para propor uma solução de conflito etc. De acordo com os seus objetivos definidos e desenvolvidos no seu planejamento então fará sua escolha.
ATENÇÃO! Não necessariamente todas as dinâmicas e jogos têm que ter aplicações bíblicas, há também atividades para entreter, descontrair, brincar, isso também é importante, vai depender de seus objetivos estabelecidos e planejamento. Gosto muito de utilizar as brincadeiras no final das reuniões.

6) COERÊNCIA: Não adianta simplesmente achar uma dinâmica legal porque você viu sendo aplicada numa reunião que visitou e querer aplicá-la a todo custo. É preciso ver se ela é coerente ao seu grupo, se corresponde ao que você pretende. Escolher por escolher em nada resulta. Você tem propósitos, não se faz nada aleatoriamente e nem de improviso. Então, perceba:

- Como é seu grupo, suas características e peculiaridades?
- Qual o tamanho do grupo?
- Qual a faixa etária?
- Qual o tipo de reunião?
- Qual o local? Fechado ou ao ar livre? Grande ou pequeno?
- Quais recursos dispõem ou podem conseguir para realizar?
- Qual o horário?
- Qual a sua realidade?
- Precisarão de uma roupa adequada, específica para o tipo de atividade?
- Há alunos com necessidades especiais? Como envolvê-los também?
- Há alunos com problemas específicos de saúde que precisam de atenção? Que não podem participar de determinados tipos de atividades?
- Etc.

7) ADAPTAÇÃO/CORAGEM: Você pode encontrar uma ideia muito interessante, mas que não se adequa em tudo ao seu grupo, você pode adaptá-la à sua realidade, se assim for possível. Não tenha medo de experimentar ideias novas, medo de não dar certo e de na hora não ter o resultado imaginado, faça, rearranje, adapte, improvise. Não vale improvisar sem antes planejar, mas se tudo foi planejado e na hora houver algum imprevisto, você pode ser criativo improvisando para não deixar o ânimo desandar, entendeu? Mas não force, se melhor, pare e comece outra atividade!

8) ENTUSIAMO:  Tem coisa pior que alguém fazer uma dinâmica todo desanimado? Não acreditando naquilo que faz? Então, com equilíbrio, seja animado e anime o grupo, demonstre satisfação em estar com eles e alegria em poder compartilhar aquele momento. Leve na esportiva quando alguém disser algo negativo, se você vai desenvolver uma atividade precisa estar seguro e acreditar naquilo que está fazendo.

9) TESTE ANTES: Avalie a dinâmica que vai fazer, se possível teste antes, imagine as situações possíveis. Certa vez uma professora simplesmente viu na internet uma dinâmica que fazia o ovo “flutuar” no copo d’água e não atentou para a leitura por completo, então para uma aula, como não havia planejado uma atividade antes, lembrou na hora dessa dinâmica que havia visto e ao sair para aula pegou rapidamente água e um ovo, na hora, que vergonha, nada aconteceu como havia dito, todos os alunos perceberam que ela não havia planejado. Leia, releia, teste se preciso, faça tudo com antecedência e zelo.

10) SEJA JUSTO NAS REGRAS E PREMIAÇÕES: Não favoreça ou desfavoreça injustamente.

11) CUMPRA O QUE DIZ: Se prometer premiações, cumpra. Nem toda dinâmica e brincadeira você precisa levar um prêmio, claro que isso é mais animador, mas não é o fundamental. Às vezes não dá para levar um prêmio para todas as aulas, mas no dia que prometer, cumpra.

12) SEJA SENSÍVEL ÀS REAÇÕES DO GRUPO: Não force algo que não estão correspondendo. Esteja atento. Veja se há feedback (retorno, resposta, ação do grupo, realimentação). Não force uma atividade se não há resposta positiva, não repita ao extremo só porque gostaram. SEJA FLEXÍVEL! Se uma atividade não funciona, não insista, tenha lucidez de mudar a tempo.

13) SEGURANÇA/PREPARE-SE BEM: Tem coisa pior que você começar uma atividade e parar porque não lembra mais como se faz? Então, se vai realizar algo, como já falamos, esteja seguro do que vai fazer! Outra coisa, separe e leve os materiais que vai utilizar com antecedência, não chegue para preparar em cima da hora com todos os alunos em sala, chegue antes deles e prepare tudo que vai utilizar.

14) CUIDADO: Na ânsia de fazer atividades radicais pode haver descuido e exageros, brincadeiras ou dinâmicas envolvendo alimentos, fogo, água, riscos de qualquer natureza. Evite! Você pode fazer atividades emocionantes e radicais sem precisar por a vida dos adolescentes em risco.

15) DIVULGUE E ANIME-OS: Comece a empolgar cedo os adolescentes, quando você planeja pode divulgar como serão legais as próximas atividades, assim já anima-os para irem e também a convidar seus colegas.

16) NÃO FAÇA DAS ATIVIDADES ALGO MAIS IMPORTANTE QUE AS PESSOAS ENVOLVIDAS:  As atividades existem em função das pessoas e não o contrário.

Não planeje as atividades pensando em si mesmo, mas nos adolescentes!

17) COMUNICAÇÃO: Saber se expressar e como explicar uma atividade é fundamental. Falar de modo compreensível sem entraves de qualquer espécie na comunicação repercute na performance da atividade. Certifique-se de que todos entenderam antes de começar!

18) EQUILÍBRIO: Ao planejar a sua aula ou reunião de estudo tenha equilíbrio nas atividades, há tempo para tudo, não priorize demasiadamente as dinâmicas e brincadeiras, elas têm seu espaço próprio, dependendo do tipo de reunião. Priorize o ensino da Palavra de Deus!

19) NOME/ENVOLVIMENTO: Chame os adolescentes pelo nome. Você também pode envolvê-los na preparação e condução das atividades.

20) AVALIAÇÃO: Sempre avalie suas atividades após as aulas/reuniões/encontros etc. Escreva o que funcionou bem ou não. O que pode ser repetido ou não. Apreendemos sempre com a autoavaliação. A humildade é muito importante para reconhecer nossas dificuldades buscando aprimoramento e assim fazermos nosso trabalho cada vez melhor. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário