quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Louvo a Deus por sua vida!

GRATIDÃO:

Durante esses meses tenho recebido e-mails, telefonemas e mensagens pelo Facebook de muitos queridos que acompanham nosso ministério através do Blog Ministério Adolescentes. Agradeço a todos pelas mensagens de carinho e ânimo que enviaram e por suas orações. Isso é muito caro para mim; sempre me emociona muito e vejo nisso o agir de nosso Deus usando vocês para nossa motivação nessa jornada, e assim cumprirmos a vontade do SENHOR servido aos santos. Louvado seja Deus por tudo! Deus abençoe a todos vocês, agradeço de coração e alma.

Abraços em todos vocês,
Janaína Costa.
Sabendo que recebereis do Senhor o galardão da herança, porque a Cristo, o Senhor, servis. Colossenses 3:24

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

Dica: Folhetos para Evangelizar Crianças e Adolescentes

Olá pessoal, vejam essa dica sobre folhetos para evangelizar crianças e adolescentes, tem folhetos e livretos ótimos, com temática sobre drogas, sexualidade, pornografia e bem mais. Essa semana adquiri uns para utilizar no evangelismo e estudos nas igrejas.

A missão é a Interlink.org, clique aqui para ir até o site.

Abraços,JanJ

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

RESPOSTAS DO ESBOÇO – ESTUDO BÍBLICO: 1 E 2 AOS TESSALONICENSES

RESPOSTAS DO ESBOÇO – ESTUDO BÍBLICO: 1 E 2 AOS TESSALONICENSES

Então, gostou de estudar essas duas cartas? Confira agora suas respostas.



Respostas do ESBOÇO – 1 TESSALONICENSES

1) Autor: O apóstolo Paulo

2) Quando foi escrita: O ano e o lugar não podem ser determinados com segurança. Acredita-se geralmente que esta foi a primeira de todas as cartas de Paulo e que provavelmente tenha sido escrita em Corinto, 49-54 d.C.

3) Marco Histórico: Timóteo havia sido enviado por Paulo a fim de animar e fortalecer a igreja. Aquele, em seu regresso, fez um relato que aparentemente inspirou o apóstolo a escrever a carta (1 Ts 3:6).

4) Por que foi escrita: A carta foi escrita com o objetivo de: a) consolar os cristãos durante a perseguição (1 Ts 3:1-5); b) consolá-los pela perda de pessoas queridas que haviam morrido na fé (1 Ts 4:13), e pelo receio de que os tessalonicenses perdessem o prazer de testemunhar da vinda do Senhor; c) corrigir alguns que tinham cometido o erro de supor que não precisavam mais trabalhar, na expectativa da segunda vinda do Senhor (1 Ts 4:11,12).

5) Qual o seu conteúdo ( Sinopse da carta):
A carta pode ser dividida em seis partes:
I – Seção de encômio.
Capítulo 1
Saudações (v.1)
Elogio à igreja (vs 2-10)
II – Seção de reminiscências. Paulo recorda as características de seu ministério.
Capítulo 2
III – Seção do mensageiro
Capítulo 3
IV – Seção de exortação
Capítulo 4
V – Seção da esperança futura
Capítulo 4 -  A vinda do Senhor (vs 13-18)
Capítulo 5 (vs 1-11)
VI – Seção do dever
Capítulo 5 (vs 12-28)
PORÇÕES SELETAS
A segunda vinda de Cristo (4:13-5:11)
Deveres práticos (5:12-22, esta é uma passagem paralela do capítulo 12 de Romanos)

Capítulo 1
6) Com verdadeira humildade e polidez cristã, Paulo menciona aos seus colaboradores, colocando-os no mesmo nível que ele (1:1). Quais as três coisas que Paulo recomenda aos cristãos? Recomendações sobre o fazer o bem, a esperança espiritual e às boas obras – (“... a obra da vossa fé, do vosso trabalho de amor e de vossa firmeza de esperança em nosso Senhor Jesus Cristo...) - 1 Ts 1:3, comparar com 1 Co 13:13 em contraste com as primeiras palavras de Ap 2:2

7) Como Paulo pregou o Evangelho a esses cristãos? 1 Ts 1:5 - Porque o nosso evangelho não chegou a vocês somente em palavra, mas também em poder, no Espírito Santo e em plena convicção. Vocês sabem como procedemos entre vocês, em seu favor.

8) De quem eles se tornaram seguidores? 1 Ts 1:6 - De fato, vocês se tornaram nossos imitadores e do Senhor; apesar de muito sofrimento, receberam a palavra com alegria que vem do Espírito Santo. (comparar com 1 Co 11:1)

9) Como eles receberam o Evangelho? 1 Ts 1:6 – com gozo do Espírito Santo.

10) Qual era a relação deles com as outras igrejas? 1 Ts 1:7 - E, assim, tornaram-se modelo para todos os crentes que estão na Macedônia e na Acaia.

11) Qual era a relação deles com a evangelização das regiões vizinhas? 1 Ts 1:8 - Porque, partindo de vocês, propagou-se a mensagem do Senhor na Macedônia e na Acaia. Não somente isso, mas também por toda parte tornou-se conhecida a fé que vocês têm em Deus. O resultado é que não temos necessidade de dizer mais nada sobre isso,

12) Que atitude, com relação a Deus e ao pecado, assegurou a salvação deles? 1 Ts 1:9 - Pois eles mesmos relatam de que maneira vocês nos receberam, como se voltaram para Deus, deixando os ídolos a fim de servir ao Deus vivo e verdadeiro,

13) Qual a atitude deles agora?1 Ts 1:10 - esperam dos céus a seu Filho, a quem ressuscitou dos mortos: Jesus, que nos livra da ira que há de vir.

Capítulo 2
14) A que acontecimento se refere Paulo em At 16:19-40? A prisão dos apóstolos e a conversão do carcereiro.

15) O que se diz a respeito dos motivos de Paulo pregar o Evangelho? 1 Ts 2:3-6 - Pois nossa exortação não tem origem no erro nem em motivos impuros, nem temos intenção de enganá-los; pelo contrário, como homens aprovados por Deus, a ponto de nos ter sido confiado por ele o evangelho, não falamos para agradar a pessoas, mas a Deus, que prova os nossos corações. Vocês bem sabem a nossa linguagem nunca foi de bajulação nem de pretexto para ganância; Deus é testemunha. Nem buscamos reconhecimento humano, quer de vocês quer de outros.

16) O que se diz sobre sua atitude para com esses cristãos? 1 Ts 2:7-12 - Embora, como apóstolos de Cristo, pudéssemos ter sido um peso, tornamo-nos bondosos entre vocês, como uma mãe que cuida dos próprios filhos. Sentindo, assim, tanta afeição por vocês, decidimos dar-lhes não somente o evangelho de Deus, mas também a nossa própria vida, porque vocês se tornaram muito amados por nós. Irmãos, certamente vocês se lembram do nosso trabalho esgotante e da nossa fadiga; trabalhamos noite e dia para não sermos pesados a ninguém, enquanto lhes pregávamos o evangelho de Deus. Tanto vocês como Deus são testemunhas de como nos portamos de maneira santa, justa e irrepreensível entre vocês, os que creem. Pois vocês sabem que tratamos cada um como um pai trata seus filhos, exortando, consolando e dando testemunho, para que vocês vivam de maneira digna de Deus, que os chamou para o seu Reino e glória.

17) Era lícito para Paulo pedir ajuda financeira? 1 Co 9:6,14 – Sim, pois era um direito seu. (2 Ts 3:8,9).

18) Por que não a exigiu dos tessalonicenses? 1 Ts 2:6,9 – para não ser pesado à eles e dar-lhes bom exemplo (2 Ts 3:8,9).

19) Que testemunho todo verdadeiro o ministro do Evangelho deve dar? 1 Ts 2:10 - Tanto vocês como Deus são testemunhas de como nos portamos de maneira santa, justa e irrepreensível entre vocês, os que creem.

20) Como os tessalonicenses receberam o Evangelho? 1 Ts 2:13 - Também agradecemos a Deus sem cessar, pois, ao receberem de nossa parte a palavra de Deus, vocês a aceitaram não como palavra de homens, mas segundo verdadeiramente é, como palavra de Deus, que atua com eficácia em vocês, os que creem.

21) Com quem são comparados por Paulo? 1 Ts 2:14 - Porque vocês, irmãos, tornaram-se imitadores das igrejas de Deus em Cristo Jesus que estão na Judéia. Vocês sofreram da parte dos seus próprios conterrâneos as mesmas coisas que aquelas igrejas sofreram da parte dos judeus,

22) Qual era o maior pecado da nação judaica, segundo Paulo? 1 Ts 2:16 - esforçando-se para nos impedir que falemos aos gentios, e estes sejam salvos. Dessa forma, vão sempre completando a medida dos seus pecados. Sobre eles, finalmente, veio a ira. (comparar com Mt 23:13)

23) Quais eram os desejos de Paulo quando estava em Atenas? 1 Ts 2:18 Quisemos visitá-los. Eu mesmo, Paulo o quis, e não apenas uma vez, mas duas; Satanás, porém, nos impediu. (comparar com At 17:15)

24) O que será fonte de alegria no céu para o ministro do Evangelho? 1 Ts 2:19 - Pois quem é a nossa esperança, alegria ou coroa em que nos gloriamos perante o Senhor Jesus na sua vinda? Não são vocês? De fato, vocês são a nossa glória e a nossa alegria.

Capítulo 3
25) Quem se uniu a Paulo em Atenas? 1 Ts 3:1,2 – Timóteo e Silas (comparar com At 17:15)

26) Por que Paulo enviou Timóteo dali aos tessalonicenses? 1 Ts 3:2,3 - e, assim, enviamos Timóteo, nosso irmão e cooperador de Deus no evangelho de Cristo, para fortalecê-los e dar-lhes ânimo na fé, para que ninguém seja abalado por essas tribulações. Vocês sabem muito bem que fomos designados para isso.

27) O que eles deveriam esperar, segundo Paulo? 1 Ts 3:4 - Quando estávamos com vocês, já lhes dizíamos que seríamos perseguidos, o que realmente aconteceu, como vocês sabem. (comparar com At 14:22)

28) O que o apóstolo temia? 1 Ts 3:5 - Por essa razão, não suportando mais, enviei Timóteo para saber a respeito da fé que vocês têm, a fim de que o tentador não os seduzisse, tornando inútil o nosso esforço.

29) Que notícias Timóteo trouxe ao regressar? 1 Ts 3:6 - Agora, porém, Timóteo acaba de chegar da parte de vocês, dando-nos boas notícias a respeito da fé e do amor que vocês têm. Ele nos falou que vocês sempre guardam boas recordações de nós, desejando ver-nos, assim como nós queremos vê-los.

30) O que era a própria vida para o apóstolo? 1 Ts 3:8 - pois agora vivemos, visto que vocês estão firmes no Senhor.

31) Qual era o seu desejo sincero? 1 Ts 3:10 - Noite e dia com perseverança oramos para que possamos vê-los pessoalmente e suprir o que falta à sua fé.

32) A sua oração? 1 Ts 3:11,12 - Que o próprio Deus, nosso Pai, e nosso Senhor Jesus preparem o nosso caminho até vocês. Que o Senhor faça crescer e transbordar o amor que vocês têm uns para com os outros e para com todos, a exemplo do nosso amor por vocês.

33) A oração do versículo 12 era importante? Sim, por causa do amor.  João 13:34,35; Romanos 13:9; 1 Coríntios 13:13; Gálatas 5:6

34) O que seria a consumação do amor deles? 1 Ts 3:13 - Que ele fortaleça os seus corações para serem irrepreensíveis em santidade diante de nosso Deus e Pai, na vinda de nosso Senhor Jesus com todos os seus santos.

Capítulo 4
35) Os tessalonicenses são advertidos por Paulo contra que tipo de pecado muito comum entre os gentios? 1 Ts 4:1-7 - Quanto ao mais, irmãos, já os instruímos acerca de como viver a fim de agradar a Deus e, de fato, assim vocês estão procedendo. Agora lhes pedimos e exortamos no Senhor Jesus que cresçam nisso cada vez mais. Pois vocês conhecem os mandamentos que lhes demos pela autoridade do Senhor Jesus. A vontade de Deus é que vocês sejam santificados: abstenham-se da imoralidade sexual. Cada um saiba controlar o próprio corpo de maneira santa e honrosa,
não com a paixão de desejo desenfreado, como os pagãos que desconhecem a Deus. Neste assunto, ninguém prejudique a seu irmão nem dele se aproveite. O Senhor castigará todas essas práticas, como já lhes dissemos e asseguramos. Porque Deus não nos chamou para a impureza, mas para a santidade.

36) O que diz Paulo acerca de sua autoridade?  Ts 4:8 - Portanto, aquele que rejeita estas coisas não está rejeitando o homem, mas a Deus, que lhes dá o seu Espírito Santo.

37) Por qual poder exerce a autoridade? 1 Ts 4:8 – pelo poder do Espírito Santo  (comparar com At 15:28)

38) Qual verdade evidente todo cristão deve conhecer, como filhos de Deus? 1 Ts 4:9 - Quanto ao amor fraternal, não precisamos escrever-lhes, pois vocês mesmos já foram ensinados por Deus a se amarem uns aos outros. (comparar com 1 João 3:18)

39) A que ordem se refere Paulo no versículo 11? 2 Ts 3:10 - Quando ainda estávamos com vocês, nós lhes ordenamos isto: se alguém não quiser trabalhar, também não coma.

39.1) Quais os dois motivos dessa ordem? 1 Ts 4:12 - a fim de que andem decentemente aos olhos dos que são de fora e não dependam de ninguém.

40) Onde Paulo aprendeu as verdades expostas nos versículos 13-18? 1 Ts 4:15pela Palavra do Senhor

Capítulo 5
41) Como virá o dia do Senhor para o incrédulo? 1 Ts 5:1-3 - irmãos, quanto aos tempos e épocas, não precisamos escrever-lhes, pois vocês mesmos sabem perfeitamente que o dia do Senhor virá como ladrão à noite. Quando disserem: "Paz e segurança", então, de repente, a destruição virá sobre eles, como dores à mulher grávida; e de modo nenhum escaparão.

42) E para o cristão? 1 Ts 5:4 - Mas vocês, irmãos, não estão nas trevas, para que esse dia os surpreenda como ladrão.

43) Apesar de não sabermos a hora exata da vinda do Senhor, saberemos quando estiver próxima? Mateus 24:32

44) Com o que Paulo compara o estado pecaminoso do mundo? 1 Ts 5:7 - Portanto, não durmamos como os demais, mas estejamos atentos e sejamos sóbrios; pois os que dormem, dormem de noite, e os que se embriagam, embriagam-se de noite.

45) Qual é a relação entre o versículo 9 e o ensinamento de que a Igreja passará pela tribulação? 1 Ts 5:9 - Porque Deus não nos destinou para a ira, mas para recebermos a salvação por meio de nosso Senhor Jesus Cristo.

46) Qual deve ser a atitude do cristão com os seus obreiros espirituais (ministros)? 1 Ts 5:12,13 - Agora lhes pedimos, irmãos, que tenham consideração para com os que se esforçam no trabalho entre vocês, que os lideram no Senhor e os aconselham.
Tenham-nos na mais alta estima, com amor, por causa do trabalho deles. Vivam em paz uns com os outros
.

47) Que advertência é dada àqueles que possam estar dispostos a reprimir as manifestações genuínas do Espírito Santo? 1 Ts 5:19 - Não apaguem o Espírito.

48) Que advertência é feita aos que exaltam as manifestações acima da pregação da Palavra? 1 Ts 5:20 - Não tratem com desprezo as profecias. Não devemos desprezar as profecias, mas devemos ter o cuidado para não deixarmos à Palavra de Deus de lado, nada substitui a Palavra de Deus. Profecias não substituem a Bíblia!

49) Qual deve ser a nossa atitude com as mensagens em línguas e as profecias? 1 Ts 5:21 - ponham à prova todas as coisas e fiquem com o que é bom.

50) Qual é o plano perfeito de Deus para todos os cristãos? 1 Ts 5:23 - Que o próprio Deus da paz os santifique inteiramente. Que todo o espírito, alma e corpo de vocês seja conservado irrepreensível na vinda de nosso Senhor Jesus Cristo.

51) Quando essa obra será terminada? 1 Ts 5:23 -  na vinda de nosso Senhor Jesus Cristo. (comparar com Filipenses 3:21; 1 João 3:2)

52) O que torna possível o cumprimento da oração pronunciada no versículo 23? 1 Ts 5:24 - Aquele que os chama é fiel, e fará isso.

Respostas do ESBOÇO – 2 TESSALONICENSES

1) Autor: O apóstolo Paulo

2) Quando foi escrita: Provavelmente em Corinto pouco depois da primeira carta.

3) Marco Histórico: É evidente que certas expressões da primeira carta de Paulo a esta igreja haviam sido mal interpretadas. Quando se referiu à incerteza do dia da vinda de Cristo, suas palavras haviam sido entendidas como se houvesse ensinado que o dia do Senhor estava perto.  Esse mal entendido resultou numa desnecessária comoção. Os convertidos estavam perturbados e alarmados (2 Ts 2:2). Tinham pontos de vista errados acerca da proximidade da vinda do Senhor, que transtornaram suas vidas. Alguns acreditam, de acordo com os versículos 2 e 3 do capítulo 2, que uma carta falsa, recebida pela igreja, havia agravado o problema, mas isto não passa de conjecturas. Não há dúvida de que a carta de Paulo foi escrita para ajudar a estabelecer esta confundida e preocupada igreja.

4) Por que foi escrita: A carta foi escrita com o objetivo de: a) consolar os cristãos durante um novo surto de perseguições (2 Ts 1:4); b) corrigir a falsa doutrina de que o dia do Senhor já teria vindo (2 Ts 2:1), pois as severas perseguições haviam ocasionado em alguns a ideia de que já havia começado a grande tribulação; c) censurar aqueles que se comportavam desordenadamente (2 Ts 3:6).

5) Qual o seu conteúdo ( Sinopse da carta)
A carta pode ser dividida em três partes:
Capítulo 1
a) Saudações e ações de graças (vs 1-3)
b) Palavras de consolo à igreja perseguida (vs 4-6)
c) Há um grande contraste entre o destino glorioso dos crentes na vinda de Cristo, e o destino dos ímpios não arrependidos (vs 7-12).

Capítulo 2
a) Advertências contra o desassossego causado por pontos de vista errados acerca da vida do Senhor (vs 1-2)
b) O anúncio dos acontecimentos que ocorrerão antes do advento (vs 3-17)
c) Um afetuoso chamado aos crentes que haviam desfrutado dos grandes privilégios do evangelho para que retenham a boa doutrina (vs 13-15)
d) Uma bênção consoladora (vs 16,17).

Capítulo 3
a) A confiança do apóstolo na igreja (vs 1-6)
b) O exemplo do apóstolo (vs 7-10)
c) Admoestações finais (vs 11-14)
d) Bênção e saudação (vs 6-18)

6) Como Paulo se refere à igreja perseguida? Com palavras de consolo (2 Ts 1:4-6)

7) Qual contraste Paulo apresenta? O grande contraste entre o destino glorioso dos crentes na vinda de Cristo, e o destino dos ímpios não arrependidos (2 Ts 1:7-12).

8) Por que Paulo faz advertências? Devido o desassossego causado por pontos de vista errados acerca da vinda do Senhor (2 Ts 2:1,2).

9) Qual afetuoso chamado ele faz aos crentes? Para que retenham a boa doutrina (2 Ts 2:13-15)

10) O que Paulo anuncia sobre os acontecimentos que ocorrerão antes do advento? (2 Ts 2:3-17) - A vinda de uma apostasia (2 Ts 2:3); a auto-exaltação do homem do pecado (2 Ts 2: 3,4); o iníquo se manifestará em seu devido tempo, acompanhado por sinais e prodígios mentirosos (2 Ts 2:5-9); este iníquo será destruído na vinda de Cristo (2 Ts 2:8); os ímpios serão enganados (2 Ts 2:10-12).

11) Como Paulo demonstra sua confiança na Igreja?(2 Ts 3:1-6) - Ele pede oração (2 Ts 3:1-2); Crê que eles serão guardados do mal e permanecerão obedientes às suas instruções (2 Ts 3:3-4); Ele ordena que esperem pacientemente a vinda de Cristo e que se separem dos irmãos que andam desordenadamente (2 Ts 3:5-6).

12) Qual o exemplo apostólico? De viver ordenadamente (2 Ts 3:7); manter-se com seus próprios recursos, a fim de dar bom exemplo (2 Ts 3:8-9); De insistir para que os crentes trabalhem (2 Ts 3:10)

13) Sobre o que são as suas admoestações finais? Acerca dos preguiçosos e dos intrometidos (2 Ts 3:11,12); Acerca do trabalho persistente e do desobediente obstinado (2 Ts 3:13,14).


Consultas: Bíblia Thompson (Vida); BEP (CPAD); Através da Bíblia de M.Pearlman (Vida)

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

Versículo da Semana: Salmos 119:37

"Desvia os meus olhos das coisas inúteis; preserva a minha vida segundo a tua palavra." Salmos 119:37 (NVI)


Lição: Secularismo (Apologética)

Olá líder, pais e professores de adolescentes, compartilho com vocês essa lição sobre secularismo, um tema que deve ser abordado e discutido com os adolescentes. Vivemos em um tempo cujo conformismo tem prejudicado e até destruído a identidade do cristão. Você pode utilizar essa lição em seu grupo de estudo para despertar no adolescente uma consciência cristã crítica e equilibrada da realidade em que vivenciamos hoje no ambiente evangélico.

Secularismo – Religiosidade sem Deus e morte espiritual 

Texto Básico: João 17.11-19
Leitura Diária

Domingo: 2Sm 6.1-11 – Sem pragmatismo
Segunda: Mt 6.19-34 – Onde está o seu tesouro?
Terça: Sl 19 – Em os guardar, há grande recompensa
Quarta: Jr 2.1-19 – Buscando água onde não há
Quinta: 1Co 2 – Não recebemos a mente do mundo
Sexta: Mt 7.1-20 – O caminho é estreito
Sábado: Cl 3.1-17 – Pense nas coisas do alto


Introdução

Em nosso tempo as pessoas têm vivido para o mundo e seguindo os padrões do mundo. Essa maneira de viver, essa visão de mundo, recebe o nome de secularismo. A seguir há uma definição um pouco mais abrangente de secularismo.

[Secularismo é um...] modo de vida e de pensamento que é seguido sem referência a Deus ou à religião. A raiz latina saeculum referia-se a uma geração ou a uma era. “Secular” veio a significar “pertencente a esta era, mundana”. Em termos gerais, o secularismo envolver uma afirmação das realidades imanentes deste mundo, lado a lado com uma negação ou exclusão das realidades transcendentes do outro mundo. É uma cosmovisão e um estilo de vida que se inclina para o profano mais do que para o sagrado, o natural mais do que o sobrenatural. O secularismo é uma abordagem não religiosa da vida individual e social.1

Temos visto o colapso de estruturas tradicionais, principalmente a família e a igreja. A ciência tem influenciado cada vez mais o pensamento contemporâneo, causando também uma busca desenfreada por aquilo que a tecnologia oferece ao homem. Valores morais têm sido substituídos por desejos imorais, que cada vez mais são vistos pela sociedade em geral como coisas “naturais”.
Essa inclinação para o profano, em vez do sagrado, tem contaminado a igreja de um modo cada vez mais abrangente, enfraquecendo aquela que deve transmitir a mensagem da verdade. A própria verdade, de acordo com a cosmovisão secular, é relativa. O baluarte da verdade (1Tm 3.15) tem sido mortalmente afetado pela corrosão de um modo de vida e cosmovisão distantes de Deus. Vivemos “tempos difíceis” (2Tm 3.1). Nesta lição veremos alguns aspectos da secularização que têm atingido a igreja de modo mais agudo e a resposta bíblica contra essa maneira de viver e pensar.
I. Para o secularismo, o que importa é que funcione

Quem nunca ouviu a expressão: “O fim justifica os meios”? Esse conceito tem sido muito usado em diversas igrejas evangélicas. Não importa se a mensagem pregada é a do evangelho verdadeiro, o que importa é que venham novos membros, de preferência com dinheiro no bolso.
Essa ideia de fazer qualquer coisa para se atingir determinados objetivos é conhecida como pragmatismo. Isso é algo bem secular e muito evidente em nosso tempo. O pragmatismo ensina que pensamentos, ideias e ações só têm valor em termos de consequências práticas. Assim, não há qualquer conjunto fixo teórico de valores.
A igreja cristã tem sido grandemente influenciada pelos conceitos pragmáticos do secularismo. Se algo “funciona”, então é verdadeiro também para a igreja. Se a igreja enche, não importa que meios estejam sendo usados para isso, pois se está dando certo, então, é a vontade de Deus.
A vontade divina já não é algo explícito e objetivo, mas perfeitamente adaptável às situações. O que realmente importa não é o princípio de sua presença santa, quem dita as regras, ou o que está escrito na Bíblia, mas é aquilo que, do ponto de vista humano, funciona. Como disse MacArthur, “o pragmatismo está em voga; o compromisso com a verdade bíblica é desprezado como sendo uma fraca estratégia de mercado”.
De fato, é o “mercado” quem dita as regras. Cada vez mais a pregação da Palavra de Deus cede lugar para novos métodos como teatro, dança, comédia, shows de rock, e outras formas de entretenimento. Pelo fato de que esses métodos realmente atraem multidões, eles são considerados como corretos em si mesmos, independentemente de serem bíblicos ou não. A cada momento, os grandes ícones da “mídia evangélica” aparecem com um novo slogan que se torna, automaticamente, a verdade do momento. É “tempo de colheita”, “tempo de se apaixonar”, “tempo de restituição”, “tempo de cura” etc. Isso dura até que apareça outro mais interessante e que dê mais resultados.

O rei Davi viu com assombro os resultados de fazer algo para Deus de modo pragmático, em vez de seguir o que ele havia determinado. Deus havia dado as instruções de como a arca da aliança deveria ser transportada (Êx 25.12-14). Em vez de seguir as determinações do Senhor, Davi quis ser “prático” no transporte da arca de volta para Jerusalém. Ele imitou o modo mundano dos filisteus para o transporte (1Sm 6.7-8). O resultado disso foi a morte de Uzá (2Sm 6.6-7). E, “temeu Davi ao Senhor, naquele dia, e disse: Como virá a mim a arca do Senhor?” (2Sm 6.9). Seguir ao mundo em vez de a Palavra de Deus nunca dá bom resultado.
II. O secularismo diz não a Deus e sim a Mamon

Outro aspecto muito importante no qual a igreja tem se secularizado é quanto ao lidar com dinheiro, com finanças. O profeta Isaías descreveu uma triste situação em Israel e deu uma solene advertência: “Ai dos que ajuntam casa a casa, reúnem campo a campo, até que não haja mais lugar, e ficam como únicos moradores no meio da terra!” (Is 5.8). Israel já precisava de uma reforma agrária. O que é esse desejo de ter mais e de estar acima dos outros? O que é essa sensação que domina o ser humano e o faz ter tanta vontade de possuir coisas? Esses homens, a respeito de quem o profeta pronunciou um “ai”, iam comprando todas as casas e todos os campos até que se tornassem os únicos donos de tudo. Então, eles podiam olhar para suas propriedades e dizer para si mesmos: “Tudo isto é meu”. Parece que o desejo humano não se satisfaz enquanto existir algo que “não é dele”.
Infelizmente esse desejo tem feito parte da vida de muitos cristãos. Eles têm sido contaminados pelo desejo de possuir, de ter, de comprar. O Senhor Deus fica em segundo plano na vida de muitos, que têm seus olhos voltados constantemente para Mamon. Jesus fez uma severa advertência quanto a isso: “Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de aborrecer-se de um e amar ao outro, ou se devotará a um e desprezará ao outro. Não podeis servir a Deus e às riquezas” (Mt 6.24). No texto grego, “riquezas” é uma tradução do nome “Mamon” que era considerado o deus das riquezas. Mamon é, sem sombra de dúvida, o maior, e talvez até, o único deus rival do Deus verdadeiro.
A igreja de hoje tem despendido muita energia na busca de adquirir dinheiro. Para muitos líderes evangélicos de hoje, as pessoas a serem evangelizadas deixaram de ser consideradas possíveis novos servos do Senhor para representar mais entradas no caixa da igreja. Ao mesmo tempo, muitos crentes se tornam membros de igreja, mas não se envolvem financeiramente com ela por meio dos dízimos ou de ofertas. O dinheiro fica em primeiro lugar. Mas ninguém pode servir a dois senhores.
III. Para o secularismo, a mídia é uma regra de fé e prática

A televisão e a internet têm se revelado poderosos instrumentos de massificação do mundo pós-moderno e pós-cristão. Em um tempo em que as pessoas dizem não ter tempo para ler ou conversar, o bombardeio de imagens tem promovido uma espécie de anti-intelectualismo superinformado, pois anula a capacidade de “ler” e criticar, substituindo a razão pela emoção e o significado pelo entretenimento.
Esse comportamento secular massificado também tem atingido enormemente a igreja. Os cristãos, assim como os não cristãos, perderam a capacidade ler, interpretar e criticar, passando apenas a assimilar o que veem na internet ou na televisão, quase sempre, coisas muito superficiais. Com essa embriaguez causada pela mídia, as mentes ficam saturadas de lixo. Influenciados por esse modo de viver mundano, muitos crentes deixaram de lado a leitura da Palavra de Deus e a meditação diária que deveriam fazer nela. Grande parte dos crentes da atualidade tem abandonado as riquezas e o doçura da Palavra de Deus (Sl 19.10), trocando-os por fontes vazias, cisternas rotas, como fez o povo de Israel: “Houve alguma nação que trocasse os seus deuses, posto que não eram deuses? Todavia, o meu povo trocou a sua Glória por aquilo que é de nenhum proveito. Espantai-vos disto, ó céus, e horrorizai-vos! Ficai estupefatos, diz o Senhor. Porque dois males cometeu o meu povo: a mim me deixaram, o manancial de águas vivas, e cavaram cisternas, cisternas rotas, que não retêm as águas” (Jr 2.11-13).
A regra de fé e prática do povo de Deus deve ser a Palavra de Deus e não as mensagens seculares e mentirosas de nosso mundo pós-moderno. A Bíblia é sempre lâmpada para nossos pés e luz para o nosso caminho (Sl 119.105). Temos de nos alimentar dela para que nossa cosmovisão possa ser a de quem enxerga o mundo com a mente de Cristo (1Co 2.16).
IV. Não ao secularismo e sim ao caminho estreito

Seria o objetivo da igreja de hoje simplesmente abarrotar seus templos de pessoas e conseguir muitos “curtir” no Facebook? Parece que o que importa é marketing, divulgação, exposição, mas sem conteúdo ou mensagem relevante. Muitos continuam buscando, como em grandes lojas em liquidação, os lugares em que há mais pessoas.
Evidentemente, esse caminho secular, da religião das multidões, é muito diferente do que ensina a Palavra de Deus: “Entrai pela porta estreita (larga é a porta, e espaçoso, o caminho que conduz para a perdição, e são muitos os que entram por ela), porque estreita é a porta, e apertado, o caminho que conduz para a vida, e são poucos os que acertam com ela” (Mt 7.13-14).
O caminho largo é o caminho das vantagens pessoais, é o caminho da ausência de compromisso e dedicação, é o caminho da despreocupação. Isso quer dizer que o caminho estreito é o caminho do sofrimento? Depende de como alguém entende essa frase. A ideia de que o sofrimento nos redime e nos faz aceitáveis diante de Deus, simplesmente não é bíblica. O caminho estreito é o caminho da submissão a Deus. É estreito porque simboliza a dificuldade de andar por ele para quem está acostumado aos atalhos da vida. É por isso que há tão poucas pessoas nele.
Não devemos desanimar se a religião que professamos não é popular, ou se as multidões não estão interessadas nela, pois como disse o Rev. Ryle, “o arrependimento, a fé em Cristo e a santidade na vida nunca estiveram na moda”. Muitos têm se iludido com um marketing bem elaborado e com supostas curas e milagres, mas é preciso muito cuidado: “Há caminho que parece direito ao homem, mas afinal são caminhos de morte” (Pv 16.25).

V. Não à morte, sim à esperança que não confunde

A religiosidade sem Deus resulta em morte espiritual. É isso que encontramos no mundo. É isso o que temos em cristãos que se secularizaram. Neles temos um conceito relativista do mundo pós-moderno, que é uma atitude de pessimismo em relação a este mundo, pois foi uma atitude de desilusão com a sonhada era de paz e prosperidade prometida pelo modernismo racionalista e científico que, afinal, não veio. Tudo permanece como sempre foi: a eterna corrupção nos altos e nos baixos cargos da nação. A escalada vertiginosa da violência. O egoísmo desenfreado do ser humano, que só se preocupa consigo mesmo. As guerras, a pobreza, as pestes, os desastres naturais etc. Esses e outros são elementos que dia a dia se acrescentam a já infindável lista de males a que este mundo está submetido. Por isso, o pessimismo reina e o desespero das pessoas cresce a cada dia.
Mas, para os verdadeiros filhos de Deus, o sofrimento e as tribulações podem ser úteis para o desenvolvimento de sua salvação. Não devemos olhar para eles como coisas necessariamente malignas, pois no meio das tribulações, ao desenvolver a perseverança, a experiência e a esperança, o crente pode experimentar o amor de Deus de um modo que jamais poderia sem o sofrimento (Rm 5.3-4).
A Escritura diz: “Ora, a esperança não confunde, porque o amor de Deus é derramado em nosso coração pelo Espírito Santo, que nos foi outorgado” (Rm 5.5). Os teólogos puritanos do passado consideravam isso uma manifestação especial do amor de Deus ao homem que sofre. Embora esse amor esteja disponível a todo crente, é no momento do maior sofrimento que podemos nos aproximar do Senhor e experimentar uma comunhão tão íntima que dificilmente conseguiríamos de outro modo.
Conclusão

É muito triste constatar a realidade de que um grande número de cristãos, têm se secularizado, têm dado enorme valor às coisas do mundo, em detrimento das coisas de Deus. Jesus, em sua oração sacerdotal, pediu ao Pai que não fôssemos retirados do mundo, mas que fôssemos libertos do mal (Jo 17.15). Isso porque temos a missão de ser sal e luz para este mundo (Mt 5.13-16).
Se temos a mente de Cristo, devemos seguir o que o apóstolo Paulo disse aos colossenses: “Portanto, se fostes ressuscitados juntamente com Cristo, buscai as coisas lá do alto, onde Cristo vive, assentado à direita de Deus. Pensai nas coisas lá do alto, não nas que são aqui da terra” (Cl 3.1-2).
Nós morremos em Cristo para viver para ele. O Senhor nos concede vida, e vida em abundância (Jo 10.10). Precisamos abandonar os atrativos seculares para desfrutar das maravilhosas riquezas que temos em Cristo Jesus.
Aplicação

Você seria capaz de fazer uma lista de atitudes comuns ao seu dia a dia que poderiam ser descartadas por serem meramente seculares e contrárias à Palavra de Deus? Que atitudes você pode tomar para ter uma mudança de hábitos, para que sua vida seja muito mais voltada para o reino de Deus e a glória do Senhor Jesus?
Boa leitura!


Na batalha milenar para preservar os fundamentos da fé, é tarefa da nova geração confrontar e desarmar as mentiras contemporâneas e lutar pela verdade. Albert Mohler faz isso com destreza e sabedoria em O desaparecimento de Deus; Michael Horton em Cristianismo sem Cristo; e Leandro A. de Lima em Brilhe a sua luz. Todos da Editora Cultura Cristã.

1 Tais como as defendidas pelo Positivismo Clássico de Augusto Comte, e levadas a rigor em suas formas antimetafísicas por Sigmund Freud, Friedrich Nietzsche, dentre outros.

2 É um tipo de humanismo existencialista prático, conforme defendido pelo filósofo francês Jean-Paul Sartre, em seu livreto O Humanismo é um existencialismo.

Fonte: ultimato.com.br. Acesso em janeiro de 2014. Texto original aqui