terça-feira, 25 de outubro de 2011

Você não precisa de um "Happy Halloween!"

Hoje vivemos dias em que quase tudo se denomina como algo simplesmente  "cultural", como se isso isentasse qualquer questionamento e exclusão, é  "cultural", então é normal,  pouco importando suas fontes...e vamos adaptando e tornando comum.

Mas não é bem assim, devemos examinar tudo, suas origens, motivações e  principalmente se essas coisas estão de acordo com as Sagradas Escrituras. Não precisamos adaptar o mundo e nem o que no mundo há..."Ai dos que ao mal chamam bem, e ao bem mal; que fazem das trevas luz, e da luz trevas; e fazem do amargo doce, e do doce amargo!  (Isaías 5:20).

Quem precisa de um "Happy Halloween" no dia 31 de outubro?!
- Se você conhece a Jesus, então sua resposta com certeza será  NÃO!

Ankerberg e Weldon em seu artigo sobre o assunto fazem a seguinte explanação:

Devemos nos perguntar: Que princípios bíblicos devem ser usados para discernir esse assunto?

As Escrituras nos dizem que o homem espiritual julga todas as coisas e que no futuro irá também julgar os anjos. Então somos competentes o suficiente para julgar assuntos triviais agora (1 Coríntios 2,15; 6.3). Se julgarmos todas as coisas e retermos o que é bom, abstendo-nos de toda forma de mal, estaremos cumprindo com nossa obrigação (1 Tessalonicenses 5.21,22). Então vamos examinar esse assunto para chegarmos a uma posição bíblica sobre o Halloween.

Se na celebração de Halloween existem atividades envolvendo práticas genuinamente ocultistas, as Escrituras são claras em afirmar que devem ser evitadas. Tanto o Antigo como o Novo Testamento fazem referência às práticas de bruxaria, encantamentos, espiritismo, contatos com os mortos, adivinhações e assim por diante – e todas essas coisas estão potencialmente ligadas ao Halloween.

"Não vos voltareis para os necromantes, nem para os adivinhos; não os procureis para serdes contaminados por eles. Eu sou o SENHOR, vosso Deus" (Levítico 19.31).

"Não se achará entre ti quem faça passar pelo fogo o seu filho ou a sua filha, nem adivinhador, nem prognosticador, nem agoureiro, nem feiticeiro; nem encantador, nem necromante, nem mágico, nem quem consulte os mortos; ... Porque estas nações que hás de possuir ouvem os prognosticadores e os adivinhadores; porém a ti o SENHOR, teu Deus, não permitiu tal coisa" (Deuteronômio 18.10,11,14) .

"[Rei Manassés de Judá] queimou seus filhos como oferta no vale do filho de Hinom, adivinhava pelas nuvens, era agoureiro, praticava feitiçarias, tratava com necromantes e feiticeiros e prosseguiu em fazer o que era mau perante o SENHOR, para o provocar à ira" (2 Crônicas 33.6).


Em nenhum lugar na Bíblia vemos essas coisas como sendo aceitáveis diante de Deus. À luz desses versículos, ninguém pode argumentar logicamente que a Bíblia apóia tais práticas. (John Ankerberg e John Weldon - http://www.chamada.com.br)

Confira  todo o artigo de John Ankerberg e John Weldon  e veja mais informações  no artigo do Dr. Samuel Costa, também em chamada.com.br , que explica a origem, simbologias e demais informações sobre esse assunto, clique aqui.


Informe aos adolescentes e a seus pais!





Nenhum comentário:

Postar um comentário