terça-feira, 25 de outubro de 2011

Você não precisa de um "Happy Halloween!"

Hoje vivemos dias em que quase tudo se denomina como algo simplesmente  "cultural", como se isso isentasse qualquer questionamento e exclusão, é  "cultural", então é normal,  pouco importando suas fontes...e vamos adaptando e tornando comum.

Mas não é bem assim, devemos examinar tudo, suas origens, motivações e  principalmente se essas coisas estão de acordo com as Sagradas Escrituras. Não precisamos adaptar o mundo e nem o que no mundo há..."Ai dos que ao mal chamam bem, e ao bem mal; que fazem das trevas luz, e da luz trevas; e fazem do amargo doce, e do doce amargo!  (Isaías 5:20).

Quem precisa de um "Happy Halloween" no dia 31 de outubro?!
- Se você conhece a Jesus, então sua resposta com certeza será  NÃO!

Ankerberg e Weldon em seu artigo sobre o assunto fazem a seguinte explanação:

Devemos nos perguntar: Que princípios bíblicos devem ser usados para discernir esse assunto?

As Escrituras nos dizem que o homem espiritual julga todas as coisas e que no futuro irá também julgar os anjos. Então somos competentes o suficiente para julgar assuntos triviais agora (1 Coríntios 2,15; 6.3). Se julgarmos todas as coisas e retermos o que é bom, abstendo-nos de toda forma de mal, estaremos cumprindo com nossa obrigação (1 Tessalonicenses 5.21,22). Então vamos examinar esse assunto para chegarmos a uma posição bíblica sobre o Halloween.

Se na celebração de Halloween existem atividades envolvendo práticas genuinamente ocultistas, as Escrituras são claras em afirmar que devem ser evitadas. Tanto o Antigo como o Novo Testamento fazem referência às práticas de bruxaria, encantamentos, espiritismo, contatos com os mortos, adivinhações e assim por diante – e todas essas coisas estão potencialmente ligadas ao Halloween.

"Não vos voltareis para os necromantes, nem para os adivinhos; não os procureis para serdes contaminados por eles. Eu sou o SENHOR, vosso Deus" (Levítico 19.31).

"Não se achará entre ti quem faça passar pelo fogo o seu filho ou a sua filha, nem adivinhador, nem prognosticador, nem agoureiro, nem feiticeiro; nem encantador, nem necromante, nem mágico, nem quem consulte os mortos; ... Porque estas nações que hás de possuir ouvem os prognosticadores e os adivinhadores; porém a ti o SENHOR, teu Deus, não permitiu tal coisa" (Deuteronômio 18.10,11,14) .

"[Rei Manassés de Judá] queimou seus filhos como oferta no vale do filho de Hinom, adivinhava pelas nuvens, era agoureiro, praticava feitiçarias, tratava com necromantes e feiticeiros e prosseguiu em fazer o que era mau perante o SENHOR, para o provocar à ira" (2 Crônicas 33.6).


Em nenhum lugar na Bíblia vemos essas coisas como sendo aceitáveis diante de Deus. À luz desses versículos, ninguém pode argumentar logicamente que a Bíblia apóia tais práticas. (John Ankerberg e John Weldon - http://www.chamada.com.br)

Confira  todo o artigo de John Ankerberg e John Weldon  e veja mais informações  no artigo do Dr. Samuel Costa, também em chamada.com.br , que explica a origem, simbologias e demais informações sobre esse assunto, clique aqui.


Informe aos adolescentes e a seus pais!





ESBOÇO - Estudo Bíblico - COLOSSENSES

ESBOÇO – ESTUDO BÍBLICO: COLOSSENSES 

A carta aos Colossenses foi motivada pela introdução de doutrinas errôneas na igreja. Segundo Pearlman, é provável que tenha aparecido um mestre propagando um sistema doutrinário que misturava o legalismo com a filosofia pagã. Era o elemento pagão no sistema – conhecido posteriormente como gnosticismo – que constituía o maior perigo para fé da igreja.
Mas no que consiste o gnosticismo?
Quais os equívocos que tal heresia pregava colocando a igreja em risco?
Veja bem, estudar essa carta pode ser interessante e edificante. Convido você a estudarmos sobre a carta aos Colossenses, faça suas pesquisas, preencha o esboço e no próximo mês compartilharemos as respostas.
Bom Estudo!
ESBOÇO
1. Autor:
2. Local e Data:
3. Propósito:
4. Conteúdo:
5. A doutrina verdadeira é declarada – Qual sua explicação? (1:13-2.3)
- Como esse conhecimento pode ajudar os adolescentes a se protegerem das heresias que distorcem a verdade sobre Jesus?
6. O autor da carta adverte os colossenses a não se deixarem enganar pelos raciocínios falsos dos filósofos (2:4-7), porque em Cristo eles têm a plenitude da revelação divina (2:3). Contra quais erros o autor previne os Colossenses? (2:4-23).
- Alguns desses erros também consistem em perigos para fé cristã hoje?
7. Quais as exortações quanto à conduta cristã exigida? (3:1-4:6)
- Como essas exortações também servem para nossas vidas?
 ...................................................................................................................................
Ao final desse estudo, você poderá fazer cartazes ilustrativos sobre os tópicos, assim fica mais fácil dos adolescentes assimilarem o ensino, estudem os pontos, debatam, façam pesquisas sobre heresias atuais e as antigas que voltam a repercutir hoje, analisem como os conceitos filosóficos podem confundir e enfraquecer a fé daqueles que não conhecem a Palavra de Deus com firmeza, estimule-os a não estudarem apenas temas relacionados a interesses pontuais, mas também os livros da Bíblia Sagrada como um todo, seus contextos, aplicações. Você pode ajudar e muito os adolescentes através desses estudos bíblicos. Compartilhe conosco suas anotações e sugestões. Próximo mês postaremos as respostas. Um abraço, Janaína.

DINÂMICA: Mateus 7:12

DINÂMICA: O que você deseja para o próximo, também deseja para si?

Essa dinâmica, mesmo sendo bem simples, sempre que faço tenho presenciado, até mesmo com adultos, uma boa e agradável reflexão e momento de comunhão.  Nela, mostramos na prática como devemos desejar ao próximo àquilo que queremos para nós mesmos. Baseado em Mateus 7:12.

Distribua para cada um dos participantes, folha, caneta e papel, peça que cada um escreva algum tipo de atividade que gostaria que o colega sentado ao seu lado esquerdo realizasse. Logo após escrever, eles devem dobrar o papel e não deixar que o colega veja. Após todos escreverem, explique a dinâmica a eles, diga:
“Agora que todos escreveram, entregue ao seu colega o papel com a atividade que você desejou que ele realizasse." (todos entregam os papéis) Após entregarem os papéis você explica: “Na verdade, quem vai realizar a atividade é você mesmo que a escreveu!” (veja a reação deles na hora...e siga com as tarefas, todos devem realizar o que desejaram ao próximo...)
Assim, cada um dirá o que o colega desejou pra ele e que agora fará para si mesmo.
Discussão: Ao final da dinâmica, leia a referência bíblica acima e discuta com eles como isso se dá na prática, como às vezes desejamos aos outros situações e coisas que na verdade jamais gostaríamos para nós. Reflitam sobre as motivações corretas para desejar o melhor ao próximo como para nós mesmos e que isso não está fora de moda, mas é um ensinamento da Palavra de Deus para toda a nossa vida, vivendo assim, estaremos em obediência e mais felizes com Deus, consigo mesmo e com o próximo!

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Seção Especial - ADOLESCÊNCIA!

O Cérebro do Adolescente
Como é o desenvolvimento cerebral na adolescência e como isso afeta o comportamento do adolescente?
Antes de falarmos a respeito do desenvolvimento do adolescente em seus vários aspectos, temos que tratar do cérebro do adolescente, assim, teremos uma visão melhor quando tratarmos dos aspectos cognitivos e emocionais. Esse é um assunto muito técnico, e vamos abordar de maneira bem objetiva e sintética, apenas para dar-lhe uma visão de como funciona o cérebro do adolescente e como isso pode repercutir em seu comportamento, pois esse conhecimento é imprescindível para quem lida com essa faixa etária.

O cérebro do adolescente ainda está em desenvolvimento. Há mudanças dramáticas nas estruturas cerebrais envolvidas nas emoções, no julgamento, na organização do comportamento e autocontrole que ocorrem entre a puberdade e o início da vida adulta, isso pode ajudar a explicar as ações e reações dos adolescentes.


Duas importantes mudanças no cérebro do adolescente são semelhantes a processos que ocorrem antes do nascimento e durante a infância: o crescimento e a inibição da matéria cinzenta. Um segundo surto na produção de matéria cinzenta – neurônios, axônios e dendritos – começa pouco antes da puberdade e pode estar relacionado ao repentino aumento na produção de hormônios sexuais nessa época. Segundo ACT for Youth, 2002; NIMH, 2001b, o surto de crescimento ocorre principalmente nos lombos frontais, que controlam o planejamento, o raciocínio, o julgamento, a regulação emocional e os impulsos. Após o surto de crescimento, conexões não utilizadas são inibidas e aquelas que permanecem são fortalecidas.

Entre os 6 e 13 anos ocorre um notável crescimento em conexões situadas entre os lombos temporais e parietais, que lidam com as funções sensoriais, a linguagem e a compreensão espacial. Os adolescentes processam a informação sobre as emoções diferentemente dos adultos. Pesquisadores escanearam a atividade cerebral de adolescentes enquanto esses identificavam emoções em imagem de faces em uma tela de computador, jovens no começo da adolescência, de 11 a 13 anos, tendiam a usar a amígdala, uma pequena estrutura em forma de amêndoa localizada no lombo temporal e que está fortemente envolvida nas reações emocionais e instintuais.

Adolescentes mais velhos estavam mais propensos a usar o lombo frontal, que permite julgamentos mais precisos e razoáveis. Assim, no começo da adolescência, o desenvolvimento ainda imaturo do cérebro talvez permita que os sentimentos se sobreponham à razão, seria esse um provável motivo para que alguns juvenis façam escolhas precipitadas, além disso, sistemas corticais frontais ainda não desenvolvidos associados à motivação; impulsividade e adição talvez expliquem a busca de excitação e novidade entre os adolescentes, e também por que muitos deles têm dificuldades de se concentrar em metas a longo prazo e dar atenção devida a advertências que parecem lógicas e persuasivas para um adulto.
Segundo especialistas, adolescentes que “exercitam” o cérebro aprendendo a ordenar seus pensamentos, entender conceitos abstratos e controlar seus impulsos estão lançando os fundamentos neurais que serão utilizados pelo resto e suas vidas.

“(...) Paul Thompson, neurologista americano, do Laboratório de Neuromapeamento da Universidade da Califórnia faz parte de uma equipe de cientistas que vem mapeando o cérebro de cerca de 1 000 adolescentes com técnicas avançadas de tomografia.As descobertas são surpreendentes, especialmente se considerarmos que até a alguns anos, era consenso científico que o cérebro completava seu crescimento na infância e não se alterava mais. Hoje se sabe que várias estruturas cerebrais seguem evoluindo durante a adolescência (veja quadro), embora nem todas cresçam. A idade em que essas mudanças se processam varia. O cérebro das meninas desenvolve-se cerca de dois anos mais cedo, mas homens e mulheres costumam emparelhar lá pelos 20 anos. De forma geral, no início da adolescência ainda está em processo uma mudança que começa entre 7 e 11 anos. É quando crescem certas regiões cerebrais ligadas à linguagem, como a área de Broca, uma pequena estrutura dentro do córtex pré-frontal. O processo costuma chegar ao fim antes dos 15 anos. No período de desenvolvimento, notam-se grandes progressos no uso da escrita – é a idade ideal para aprender novas línguas. A mudança maior começa pelos 18 anos e pode avançar até os 25. É quando o córtex pré-frontal amadurece, consolidando o senso de responsabilidade que falta a tantos adolescentes. "O córtex funciona como o presidente de uma grande empresa, centralizando as decisões. É por isso que às vezes o cérebro adolescente parece uma empresa sem presidente", brinca Thompson.” (Veja, edição especial, junho, 2004.)



Uma das mudanças primordiais diz respeito a uma nova qualidade da mente caracterizada pela capacidade de pensar de forma sistemática, lógica e hipotética. Essa manifestação desse novo modo de pensar é a tendência dos adolescentes para se tornar críticos. O pensamento operacional formal sinaliza a mudança do pensamento em termos concretos e liberais para o abstrato, isso faz com que o adolescente possa lidar com ideias e conceitos, não precisando mais fixar-se em objetos concretos para compreender. Estão mais interessados em ideias do que em fatos e são capazes de começar a lidar com conceitos éticos e morais, como justiça e amor. As palavras podem ter significados literal e conotativo, conseguindo perceber ironias e sarcasmos e compreender metáforas, símiles e prosopopeias. Surge a habilidade de desenvolver hipóteses e argumentação se algo está certo ou não.
Um adolescente no estágio das operações formais é capaz de pensar em uma série de possibilidades e suas consequencias, ele pode lidar com todos os tipos de situações hipotéticas e construir teorias. Podem pensar sobre o próprio pensamento e assim, colocar-se no lugar da outra pessoa.
Vale ressaltar que, como o pensamento operacional formal não se desenvolve todo de uma vez, em uma classe de adolescentes, haverá alunos com habilidade de pensar em diferentes níveis.

Os mitos sobre o cérebro dos adolescentes
Mesmo com muitos avanços dos estudos sobre o cérebro humano, as pesquisas ainda prosseguem trazendo novas e surpreendentes descobertas.
Mito 1: Adolescentes são incontroláveis
Embora adolescentes sejam afeitos a paixões mais fortes e tenham dificuldade em freios devido sua imaturidade cerebral, não significa que sejam incontroláveis e fatalmente levados por seus impulsos justificados em seu grau de maturidade do córtex pré-frontal. Isso se constitui um mito sobre o cérebro dos adolescentes.
Por exemplo, podemos encontrar em adolescentes de uma mesma faixa etária e grau de maturidade cerebral, mas que tomam posicionamentos diversos por causa de outros fatores de suma importância para sua formação e desenvolvimento. Veja, há adolescentes que controlam perfeitamente seus impulsos sexuais com a namorada, e isso não se deve ao grau de maturidade cerebral, mas por causa de princípios morais e religiosos ensinados por seus pais, que lhe dava a consciência de pecado e suas consequencias, dando-lhe consciência de prejuízos para sua alma e futuro.
Outros fatores estão sob influência no adolescente como a participação dos pais em sua educação e limites, o que pode ser um grande diferencial no exercício das atividades cerebrais que lhe proporcionarão maior controle e melhor tomada de decisões.
Mito 2: os adultos são melhores
O fato de o cérebro do adolescente ser menos maduro não o faz inferior como ser humano e nem incapaz, pelo contrário, segundo Robert Epstein, ex-director do Psychology Today (Psicologia Hoje) e chefe do setor de colaborações do Scientific American, rebate as teorias do cérebro adolescente, afirmando: “Os adolescentes mostram-se tão capazes quanto os adultos, em um amplo espectro de qualidades. Já foi comprovado que superam os adultos em provas de memória, inteligência e percepção. A tese de que os adolescentes têm um ‘cérebro imaturo’, o qual necessariamente é causador de crises, resta totalmente desmentida se nos concentramos na investigação antropológica que se faz no mundo, hoje em dia. Os antropólogos encontraram mais de cem sociedades contemporâneas, nas quais a chamada crise da adolescência não existe. Aliás, na maioria dessas sociedades, nem sequer há uma palavra para designar a adolescência. (extraído de Aceprensa, 2008-02-11, publicado no site Mujer Nueva).

Mito 3: Todo adolescente tem crises incontroláveis – é rebelde e inconsequente.
Embora os fenômenos neurológicos e fisiológicos sejam presentes em todo adolescente, cada adolescente é um adolescente. Não podemos classificá-los e nem determinar suas ações ou reações de modo determinista e fatalista apenas tomando como base seu desenvolvimento cerebral e as repercussões disso no adolescente. Conscientes de que existem as chamadas “crises” na adolescência, o grau delas e suas proporções variam e não são uniformes em todos os adolescentes. Por isso, é importante o cuidado de não adjetivar os adolescentes de modo exagerado, nem positivamente, nem negativamente, mas conhecer cada um como de fato é.
Não vamos subestimar os adolescentes, eles não são rebeldes, libertinos, irresponsáveis, promíscuos e inconsequentes, existem uns que são, mas há adultos assim também, os adolescentes precisam de bons exemplos e referências, e principalmente de confiança, eles  são capazes de tomar decisões acertadas e conscientes também.
Veja abaixo uma nota escrita por Thomas Lickona em seu artigo sobre a castidade na adolescência:
“ (...) os estudos antropológicos de longa duração, feitos em Harvard nos anos oitenta (...) apresentam abundantes dados indicativos de que, quando se confere aos jovens verdadeiras responsabilidades e a possibilidade de interagirem com adultos, esses jovens aceitam prontamente o que é reto e o que é justo, deixando transparecer o ‘adulto que levam dentro de si’” . (Education Week, 4-4-2007).

O mais lastimável erro que podemos cometer em matéria de educação – sem dúvida, o pior em educação do caráter e com respeito à castidade – é subestimar a capacidade de nossos alunos. Tenho uma amiga que agora é dirigente do movimento para educação na continência. Ela mesma conta que na sua adolescência era promíscua. Era tão maltratada em casa que cometia pequenos delitos só para poder desfrutar da relativa segurança que lhe oferecia o sistema prisional.

Ali foi vê-la, certa vez, um orientador, a quem ela se abriu com relação à insensata vida sexual que até então tinha levado. Ele a tratou respeitosamente e com carinho, animando-a a comportar-se com maior dignidade e mais disciplina daí em diante. Hoje ela se sente uma mulher feliz, é casada, mãe e educadora  respeitada.

Como ela própria declara: “Que teria sido da minha vida se aquele orientador me tivesse dado um preservativo, em vez de acreditar no que eu podia, e ter confiança em mim?”.
Com o apoio adequado, os seres humanos, quando se lhes propõem metas elevadas, tendem a esforçar-se para alcançá-las. A castidade é difícil, como tudo o que vale a pena na vida. É hora de que todos unidos, escolas e genitores, subamos de nível.

Em suma, adolescentes não precisam necessariamente ser irresponsáveis, inconsequentes e incontroláveis porque ainda estão em desenvolvimento cerebral, eles podem fazer escolhas acertadas hoje, enquanto adolescentes, podem controlar-se sexualmente, mesmo com o forte apelo da mídia, podem ser responsáveis, podem aprender lidar com seus conflitos de modo inteligente, enfim, precisam apenas de quem os trate com confiança, ensine limites e os ajude a alcançar o nível de maturidade que precisam para vida adulta.
Próximo pôster, veremos o desenvolvimento do adolescente nos vários níveis a partir das mudanças de pensamento e nas emoções...aguardem!

Consultas: Desenvolvimento Humano – Papalia, Olds e Feldman, McGraw  Hill, 2009,SP.

I João 2:17


domingo, 9 de outubro de 2011

RELÓGIO de ORAÇÃO II - Tg 5:16

Estimular os adolescentes a terem uma vida devocional deve ser uma prática persistente e incansável do professor e líder, para isso você pode desenvolver recursos variados regularmente. Nesse relógio de oração, o objetivo é fazer com que os adolescentes se interessem pela intercessão pelos outros. Orar uns pelos outros também é importante e bíblico, isso também dá maior entrosamento e comunhão entre os grupos...
Veja as instruções abaixo e não esqueça: os métodos e recursos que utilizamos nos grupos de reunião, classes de EBD, PG's, clubes bíblicos ou qualquer outro, devem ser sempre acompanhados de oração, conte sempre com a ajuda do Espírito Santo em seu ministério, sem Deus, nada podemos fazer!


sábado, 8 de outubro de 2011

Mateus 28:20

JESUS, o Deus sempre presente nas "estações de nosas vidas"! Mt 28:20

 ...Tem bom ânimo, cumpre com alegria a tua carreira e o ministério que recebeu do Senhor 
    (At 20:24)


Ponto de Reflexão!

Você tem uma igreja para ir nesse domingo?
Agradeça e Valorize!
Ore por aqueles que não têm!!!




Os direitos autorais deste vídeo pertencem à Portas Abertas Internacional. Mais informações em http://www.domingodaigrejaperseguida.org.br/

Não é ficção. A Igreja perseguida é uma realidade em muitos países!

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

RESPOSTAS DO ESBOÇO - ESTUDO BÍBLICO: EFÉSIOS

RESPOSTAS DO ESBOÇO:
ESTUDO BÍBLICO – EFÉSIOS 

A carta aos Efésios é a grande exposição da doutrina fundamental da pregação do apóstolo Paulo, a saber: a unidade da igreja e o propósito  de Deus nesse corpo para o tempo presente e para eternidade. A carta é dividida em duas seções: a doutrinária (caps. 1 ao 3) e a prática (caps. 4 ao 6). Em síntese quanto à sua temática, a Igreja é escolhida, redimida e unida em Cristo, de sorte que a Igreja deve andar em unidade, em vida nova, na força do Senhor e com a armadura de Deus para vencer as lutas espirituais.
ESBOÇO
1. Quem é o autor da carta aos Efésios?
Paulo, apóstolo de Jesus Cristo.
2. Quando foi escrita?
Muito provavelmente durante a primeira prisão de Paulo em Roma no ano 60-64 d.C. Ela foi enviada por Tíquico, que também levou carta ao colossenses e a Filemom.
3. Por que foi escrita?
Havia perigos que ameaçavam a igreja em Éfeso: 1) a tentação de descer ao nível pagão e; 2) a falta de unidade entre o judeu e o gentio. Para combater esses perigos, Paulo escreve, enfrentando o primeiro perigo, ele contrasta a santidade da vocação cristã deles com a condição anterior em que viviam pecaminosa e pagã; quanto ao segundo perigo, o apóstolo apresenta Jesus promovendo a paz entre o judeu e o gentio pelo sangue da cruz e tornando os dois um só corpo.
4. Qual o conteúdo da carta?
Parte 1: A vocação da igreja e o Plano da Salvação- caps. 1 ao 3;
Parte 2: A conduta da igreja - aplicação prática quanto à unidade da igreja, à vida cristã consequente, à vida no lar e à luta espiritual. – caps. 4 aos 6.
5. Identifique o texto chave da carta.
Efésios 4:13.
6. Qual o tema principal da carta?
A unidade da igreja, especialmente entre os crentes judeus e gentios.
7. Trace “o mapa” do plano da salvação baseado nos capítulos 1 ao 3.


8. Aponte a fonte tríplice da nossa salvação (1:1-18).
1) Ef 1:4-6 – o Pai nos escolheu antes da criação do mundo para sermos seus filhos...
2) Ef 1:7-12 – Na redenção do Filho, por meio do qual nos é dado conhecimento do plano eterno de Deus para o universo e uma herança eterna...
3) Efésios 1:13,14 – o penhor da nossa herança...
Paulo ora para que os efésios tenham uma consciência ainda mais profunda e completa do privilégio e do poder de sua salvação – 1:15-18.
9. Identifique a manifestação tríplice do poder de Deus (1:19 ao 2:22).
1) O poder de Deus foi manifesto em Cristo pela ressurreição, pela ascensão e pela exaltação – 1:19-23;
2) O poder de Deus foi manifesto no indivíduo pela ressurreição espiritual (2:1-5), pela ascensão espiritual (v.6) e pelo poder de fazer boas obras e demonstrar a graça de Deus durante toda a eternidade (vs 7 -10) ;
3) O poder de Deus foi manifesto na humanidade inteira – 2:11-22, envolvendo três grupos de pessoas: os gentios (vs 11-13), os judeus (vs 14-17) e a Igreja de Cristo (vs 19-22).
10. Quanto à aplicação prática da carta, mencione o propósito do plano divino no que se refere à Igreja.
- A unidade dos crentes no Espírito (4:1-3);
- A vida cristã consequente – o andar dos crentes: não como pecadores (4:17-21) e uma nova vida abandonando os pecados passados (4:22-32); andar em amor e pureza (5:1-7); andar na luz, com vigilância e ser cheio do Espírito (5:8-21).
11. Ainda no que se refere à seção prática, no que diz respeito à conduta da igreja (caps 4 ao 6), pontue:
a. A tríplice exortação à igreja (4:1 ao 5:21).
Exortação: 1) à união (4:1-16); 2) a uma vida nova (4:17-32) e; 3) a um comportamento novo (5:1-20).
b. Exortação tríplice à família (5:22 ao 6:9).
Exortação quanto aos deveres: 1) de marido e mulher (5:22,23); 2) de filhos e pais (6:1-4) e; 3) servos e senhores (6:5-9).
c. Expressão tríplice da vida espiritual (6:10 ao 24).
Poder para luta espiritual (6:10-17); a fonte de fortaleza (6:10) e; 3) a armadura espiritual para vencer os inimigos (6:11-18).
Como essas aplicações (a, b e c) são importantes para a igreja, a família cristã e para o crente hoje?
Resposta de aplicação pessoal

APLICAÇÕES para o estudo com os adolescentes: Resposta de aplicação pessoal baseadas em sua leitura e estudo da carta.
1. Quais características a respeito da conduta cristã podemos encontrar na carta aos Efésios? Como isso se aplica à nossa vida diária?
2. Exponha a importância da armadura espiritual e como se dá esse conhecimento e uso na prática em nossa luta espiritual. Destaque o uso de cada arma e ponto estratégico (6:10 ao 20).
3. Esclareça para os adolescentes a importância da Unidade no Corpo de Cristo e como esse conhecimento e conscientização são importantes para vida deles (4:1 ao 16).
4. Aponte para eles o que é viver como filhos da luz e ilustre com situações práticas para debate (4:17-32; 5:1-21).
5. Debata sobre a consciência e sua prática do respeito e honra aos pais, e como isso reflete na vida e futuro do adolescente (6:1-3).
5. O que mais você destacaria para reflexão de conhecimento doutrinário e uso prático no conteúdo dessa carta?
Parabéns àqueles que estão estudando juntamente conosco mensalmente, tirando suas dúvidas e contribuindo com essa seção, continuem dedicados assim, Deus vos abençoe e fortaleça mais ainda, abraço a todos!
Se esses estudos têm contribuído para sua edificação e ministério com os adolescentes, compartilhe conosco, participe com suas sugestões, opinião e orações, ficaremos gratos.

ADOLESCENTE, Jesus se importa com Você!

DINÂMICAS com Versículos Bíblicos!



 Se você deseja dinâmicas com versículos bíblicos principalmente para trabalhar em clubes bíblicos com pré-adolescentes, aqui estão algumas delas para você!


1.”CONHEÇO A VERDADE!”: Escreva partes do versículo em pedaços de papel (pode ser cartolina ou papel cartão), inclua entre essas partes, outras que não são do versículo (partes semelhantes, mas falsas), misture-as com as verdadeiras. Peça ao grupo que escolha o conjunto de papeis para que montem o versículo correto. Avise-os que estejam alerta, pois há também partes que não são verdadeiras, ou seja, não fazem parte do versículo. (veja um exemplo abaixo) LIÇÃO: Há muitos que utilizam a Bíblia de modo distorcido, acrescentando palavras que não existem e assim, confundindo as pessoas, quando conhecemos a verdade da Palavra de Deus não somos enganados, mesmo que esteja parecido com ela, podemos identificar o erro claramente porque sabemos da verdade. 

2. “DECIFRANDO O VERSÍCULO!”: Escreva o versículo numa folha em formato de cartaz, mas de forma que as palavras e letras estejam embaralhadas, fora de ordem. Peça que o grupo decifre qual é o versículo e que o escreva na ordem correta. (veja um exemplo abaixo) LIÇÃO: Enfatizar a importância de memorizarmos versículos bíblicos e nos familiarizarmos com eles.

3. “MONTE O VERSÍCULO!”: Os versículos utilizados no estudo bíblico ou lições que você tenha lido e explicado cada referência bíblica aos alunos podem ser recapitulados, escolhendo os versículos que mais reforçam o ensino através dessa dinâmica. Ponha partes dos versículos escolhidos dentro de balões, cada parte em um balão, espalhe os balões fixando-os pela sala de aula ou local da reunião, ao sinal, peça que cada um dos alunos pegue um balão e procure descobrir quais deles pegaram partes do mesmo versículo, aqueles que  encontrarem as outras partes do versículo devem ficar juntos formando um grupo. Escreva as referências dos versículos na lousa ou em um cartaz, após montarem o versículo o grupo que for formado deve identificar qual das referências ele corresponde. LIÇÃO: Quanto mais nos apegarmos à Bíblia, mais teremos comunhão com os outros e assim, prazer em estar juntos conhecendo a Palavra de Deus!

 4. “QUAL É O VERSÍCULO I”: Selecione os versículos que deseja trabalhar com os alunos, ou que tenha trabalhado com eles em uma lição ou estudo bíblico e escreva-os em uma folha pondo-a em um envelope. Divida a classe em grupos. Cada grupo formado deve escolher um envelope com os versículos contidos nele, mas não deve abri-lo. Após essa etapa, o grupo entrega o envelope com os versículos para dois componentes representá-los, esses verão quais são esses versículos e, sem nenhuma palavra, mas através de gestos, mímicas, devem  explicar para o grupo, afim de que esse diga qual é o versículo.
LIÇÃO: Enfatize a importância do conhecimento e memorização das Escrituras Sagradas.

4. “QUAL É O VERSÍCULO II”: Siga as mesmas instruções do “Qual é o versículo I”, apenas mudando o modo de apresentar o versículo*:
- Selecione os versículos;
- Escreva-os numa folha e ponha-os em um envelope;
- Divida a classe em grupos;
- Cada grupo escolhe um envelope com os versículos e também dois representantes do grupo;
- *Esses representantes devem desenhar, ilustrando o versículo, sem falar, para que seu grupo identifique qual é o versículo.
LIÇÃO: Enfatize a importância do conhecimento e memorização das Escrituras Sagradas.

5.“QUAL É O VERSÍCULO III”: Ilustre os versículos com gravuras, desenhos ou objetos. Divida a turma em grupos e apresente a ilustração do versículo a eles, o grupo que disser qual é o versículo, citando-o, leva pontos. Veja um exemplo, clique aqui  LIÇÃO: Enfatize a importância do conhecimento e memorização das Escrituras Sagradas.

6.DESAFIOS COM VERSÍCULOS: Essa dinâmica pode ser usada em desafios nas gincanas bíblicas ou acampamentos. Escolha vários versículos que contenham objetos, dependendo da quantidade de versículos, dê aos grupos um tempo para procurar os objetos e também os versículos que contenham os mesmos. Veja alguns exemplos: vinagre (Sl 69:21); unha (Dn 4:33); vassoura (Is 14:23); tijolo (Gn 11:3); remédio (Pv 17:22); sabão (Jr 2:22); roupa (Jó 13:28); pedra (Js 24:27) etc.
OBS.:  1.Você pode incluir  alimentos e também animais, na Bíblia há muitas referências também com esses temas.
2. Uma variação dessa dinâmica é escolher emoções descritas na Bíblia e o grupo ser desafiado não só a encontrar as referências na Bíblia, mas também a representar a emoção encontrada.

7.”FORMANDO PARES”: Escreva versículos e divida cada um em duas partes. Cole as partes dos versículos atrás das cadeiras que os alunos sentarão na sala de aula da EBD ou reunião do ministério, uma parte em cada cadeira. Quando todos estiverem em classe e você desejar formar as duplas, explique a eles que há uma parte de um versículo em cada cadeira e que eles devem encontrar a outra parte do versículo. À medida que forem encontrando, cada dupla fica junto para a atividade que você desejar fazer com a lição ou estudo bíblico.
OBS.: Uma variação dessa dinâmica é que, ao invés de colar as partes dos versículos nas cadeiras, elas podem ser grudadas nas costas de cada aluno á medida que chegarem em sala (sem que eles leiam o que está escrito). Eles deverão perguntar uns aos outros o que está escrito em suas costas e encontrar a outra parte de seu versículo com quem formará o par.




BiO do Evangelho de Lucas

Recurso para você estimular os adolescentes ao hábito devocinal. O BiO desse mês é de Lucas, confira na página BiO do mês